sábado, 9 de fevereiro de 2013

V DOMINGO COMUM

EM ATENÇÃO À TUA PALAVRA...
 
 
 
Lc 5, 1 Jesus estava na margem do lago de Genesaré, e a multidão apertava-se ao seu redor para ouvir a palavra de Deus. 2 Jesus viu duas barcas paradas na margem do lago.  Os pescadores haviam desembarcado e lavavam as redes. 3 Subindo numa das barcas, que era de Simão, pediu que se afastasse um pouco da margem. Depois sentou-se e, da barca, ensinava as multidões. 4 Quando acabou de falar, disse a Simão: 'Avança para águas mais profundas, e lançai vossas redes para a pesca'. 5 Simão respondeu: 'Mestre, nós trabalhamos a noite inteira e nada pescamos. Mas, em atenção à tua palavra, vou lançar as redes'. 6 Assim fizeram, e apanharam tamanha quantidade de peixes que as redes se rompiam. 7 Então fizeram sinal aos companheiros da outra barca, para que viessem ajudá-los. Eles vieram, e encheram as duas barcas, a ponto de quase afundarem. 8 Ao ver aquilo, Simão Pedro atirou-se aos pés de Jesus, dizendo: 'Senhor, afasta-te de mim, porque sou um pecador!' 9 É que o espanto se apoderara de Simão e de todos os seus companheiros, por causa da pesca que acabavam de fazer. 10 Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram sócios de Simão, também ficaram espantados. Jesus, porém, disse a Simão: 'Não tenhas medo! De hoje em diante tu serás pescador de homens.' 11Então levaram as barcas para a margem, deixaram tudo e seguiram a Jesus.

           

            A Palavra de Jesus ainda hoje fascina e encanta as multidões, as pessoas e os discípulos, os ouvintes mais íntimos dele. De acordo com Lucas, todos se dirigiam até Jesus. Certamente com o intuito de ouvi-lo falar do Reino, do perdão, da misericórdia de Deus, das coisas mais simples e corriqueiras, dando a entender os mistérios insondáveis de Deus, o Pai. Jesus falava para as mulheres, crianças, doentes, miseráveis. Por isso, o Evangelho de Lucas aponta, pelas palavras de Jesus, um Deus misericordioso e Pai, insistente, amoroso, que é capaz de ir à direção e ao encontro de seus filhos pródigos, que doam suas vidas, que as perdem. Jesus falava de sua relação com o Pai, o Deus de misericórdia. Por isso Jesus fascina seus interlocutores, leitores, ouvintes, proclamadores. A Palavra de Jesus é ao mesmo tempo Palavra da Boa Nova, o Evangelho.

            A aproximação de Deus, realizada por Jesus, evidencia o filho afetuoso que quer acima de tudo realizar a vontade de seu Pai, propondo aos irmãos que sejam também misericordiosos como o Pai (Lc 6,36). A misericórdia de Deus experimentada pelo filho Jesus, evidencia um Jesus que sofre para que o mundo se salve, para que os homens sejam santificados. Trata-se de um filho que se doa para que seu Pai seja conhecido, amado e glorificado, se tornando o Deus não apenas da criação, mas da Redenção e da Salvação, o Deus no qual todos os seres humanos estão ligados e destinados. A aproximação de Deus realizada por Jesus também revela um Deus com feição de mãe, um Deus inteiramente aberto e dócil, que se compadece e ama, mas que quer acima de tudo que seus filhos se convertam e vivam em paz.

            Às margens do lago de Genesaré não foi diferente. Todos queriam ouvir Jesus falar desse Deus de ternura, das coisas do Reinado de Deus, desejavam aprender as virtudes do amor e da misericórdia. Contudo, a multidão o comprimia, e Jesus decidiu subir em uma barca, que estava a deriva do lago. A barca era de Simão, o discípulo. Jesus pediu para que afastassem a barca um pouco, sentou-se como alguém portador de autoridade, e começou a ensinar as multidões. Tal gestou de Jesus compreende sua messianidade de didáskalo, isto é, de Mestre que ensina. Jesus é o mestre de Nazaré, o sábio e Senhor que tem autorização de Deus para ensinar os homens. Suas palavras, seu ensino é qualificado e autorizado, por isso Jesus encanta os ouvintes, preenchendo as lacunas de seus corações desesperançados.

            Quando acabou seu ensinamento, Jesus convocou Simão Pedro para avançar às águas mais profundas, a fim de continuar a pesca. Este dito metafórico simboliza que Simão e os discípulos devem aprender outras coisas, mais profundas, pertinentes e salutares para a missão. Ir para as águas mais profundas e pescar significa descer aos mistérios fundamentais de Deus e apreendê-los.

            Simão diz a Jesus que durante a noite toda de pesca nada conseguiram pegar, mas que, em atenção à Palavra de Jesus, iriam lançar as redes. A palavra de Jesus consiste para Pedro verdade que o orienta e o conduz. Embora, sendo um homem simples e teimoso, Pedro se faz obediente á palavra de Jesus. Pedro é discípulo e Jesus é mestre. Esta relação mestre-discípulo deve ser respeitada na dinâmica do Evangelho. Ser discípulo compreende ouvir, aprender e realizar a palavra do Mestre. Ser mestre significa orientar e prescrever o caminho do discipulado, assegurando as verdades fundamentais da missão.

            A palavra de Jesus não apenas é atendida por Simão, como também evidencia sua veracidade e consistência. A pesca se torna milagrosa, incompreensível, pois a quantidade enorme de peixes faz as redes se romperem.  Os discípulos sinalizaram para os outros que estavam na outra barca, que se dirigiram até Simão para ajudá-lo. A outra barca também se encheu de peixes a ponto de afundar. A pesca milagrosa só se concretizou por força da palavra de Jesus, palavra esta qualificada pelo sentido do mistério e da bondade de Deus.

            Ao testemunhar tamanho sinal, Pedro se atirou aos pés do mestre Jesus e disse ser pecador, ao mesmo tempo diz para que Jesus se afaste dele. Uma atitude bastante ambígua. Pois, se Pedro, de fato quisesse se afastar de Jesus, jamais teria se jogado aos seus pés, apenas afastado, envergonhado, por ter em algum momento duvidado de Jesus. Talvez esta seja uma cena incompreensível para nós, os ouvintes longínquos de Jesus. Na verdade Pedro em nenhum momento quis se afastar de Jesus, mas aproximar-se ainda mais, pois só Jesus, de fato, tinha palavras de vida eterna, que condiziam em tudo com a verdade daquilo que era anunciado.

            Tiago e João, os pescadores companheiros e sócios de Simão Pedro, também ficaram espantados com a pesca milagrosa que acabara de se realizar. Jesus, porém, lhes disse: “Não tenhas medo! De hoje em diante tu serás pescador de homens”. Para Jesus, a pesca milagrosa concretiza e finaliza a primeira fase da vida dos discípulos: a de pescadores de peixes. Agora a segunda e mais importante fase de suas vidas está apenas começando, a partir do “avançar para as águas mais profundas”, a fim de não mais apanhar peixes, mas homens e mulheres, sedentos de Deus e da Palavra salvífica.

            O fato de não ter medo, isto é, ser corajoso, é de fundamental importância para a missão do discípulo de Jesus. A coragem do discípulo de Jesus deve fundamentar-se na escuta atenta de sua palavra e na obediência à mesma. Acreditar em Jesus é agir segundo sua palavra, lançando as redes nas águas mais profundas, a fim de pescar não apenas peixes, mas homens e  mulheres, pessoas que estão ainda hoje perdidas e sem esperança no grande e misterioso mar da vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário