segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Teologia na mídia: eis um desafio. J. B. Libanio

                    A lucidez não nos permite ser ingênuos em face dos eventos tecnológicos, como também rejeitá-los maniqueiamente. A experiência humana ensina-nos que nos atravessa profunda ambiguidade.  A tecnologia da informação no mundo da escrita, da base de dados, da comunicação concentra em si, em grau elevado, tal ambivalência. Qual de nós hoje dispensa os meios eletrônicos de comunicação para informar-se, para nutrir-se de conhecimentos? O lado positivo da divulgação ampla, de atingir recantos e pessoas até então alheias a muitos conhecimentos desperta-nos o zelo de fazer circular pelas redes sociais, pelos sites, pelos blogs e por tantos outros meios aquele saber que valorizamos. Além disso, habita-nos o elã evangelizador de cumprir, de maneira virtual, quase ao pé da letra as palavras de Jesus de fazer chegar pelas vias internéticas a palavra de Deus a todos os cantos do mundo: “E disse-lhes: “Ide pelo mundo inteiro e anunciai a Boa Nova a toda criatura” (Mc 16,15)!
                  O lado positivo de uma teologia na mídia consiste em fazê-la ultrapassar auditórios pequenos e restritos e abri-la para horizontes infindos. Tem sentido que se multipliquem blogs, sites com textos teológicos, com homilias, com subsídios para a meditação do evangelho do domingo ou do dia. Que tudo seja bem-vindo. Mesmo que a cultura midiática sirva  a intenções, a interesses outros, muitas vezes longe do evangelho, vale, no entanto, dizer com Paulo: “Mas, que importa? De qualquer maneira, com segundas intenções ou com sinceridade, Cristo está sendo anunciado, e com isso eu me alegro” (Fl 1,18). Eis um lado da questão.
                   A ambiguidade da mídia pede-nos cautela e atenção. A fé não pertence ao gênero da informação, mas da opção, fundada na liberdade e na graça de Deus. Para vivenciar essa relação, implica da pessoa certa profundidade espiritual que facilmente a mídia negligencia e até impede. Alguém facilmente confunde estar informado com pensar, refletir e optar com seriedade. A teologia pretende iluminar a fé. Santo Anselmo já a definira como “a fé que busca inteligência”. Como oferecer inteligência, onde a fé apenas aflora ou quando a pessoa nem sequer se dá conta dela? Que teologia permanece nesse nível tão superficial?
                   Então, no blog teológico, cabe alertar as pessoas para a natureza diferente de seus escritos. De tempos em tempos, para parecer maçante, importa dar pequenos toques existenciais, despertando o leitor para o nível da fé. S. Marcos, no início da vida pública de Jesus, resume belamente a atitude de fé. “Jesus veio para a Galileia, proclamando a Boa-Nova de Deus: ´Completou-se o tempo, e o Reino de Deus está próximo. Convertei-vos e crede na Boa-Nova`” (Mc 1,14-15). A fé supõe um mínimo de percepção de que o tempo de nossa existência chegou a uma encruzilhada importante. A ação salvadora de Deus está bem junto de nós. E ela provoca dupla atitude de nossa parte: conversão e compromisso com a mensagem salvadora de Deus. O blog teológico pretende tornar clara para o leitor essa quádrupla dimensão da fé. Momento importante de Deus, a presença da ação salvadora junto a nós, a interpelação de mudança de vida e o engajamento com o anúncio da salvação. Esse se realiza pela palavra, pelo testemunho de vida e pela práxis. Iluminar essa dinâmica do existir desafia o blog teológico.

(Texto escrito por J. B. Libanio para a Revista Theologando)

Nenhum comentário:

Postar um comentário